narrativas visuais

LANÇAMENTO DO LIVRO E EXPOSIÇÃO

ARUNACHALA

Espiral Sagrada de Shiva

OS MITOS NÃO FORAM CRIADOS EM FUNÇÃO DE
OBJETOS EXTERNOS, AINDA QUE OS TENHAM, MAS,
SÃO GUIAS DE NAVEGAÇÃO E POR ELES FALAM DOS
ENTEÓGENOS, DOS SONHOS, DAS PERCEPÇÕES
MODIFICADAS E DO IMAGINÁRIO COMO FONTE DE
CONHECIMENTO.
Jeremy Narby

ARuNACHALA:

Espiral Sagrada de Shiva

a venda nas Livrarias LDM, Leitura e na loja on-line da Editora.

Algumas das imagens que compõem o livro Arunachala: Espiral Sagrada de Shiva, encontram-se expostas na galeria virtual e pode ser acessada pelo link ao final dessa página.

 

Este ensaio foi realizado durante os meses de fevereiro e março, em 2019, no entorno e na montanha de Arunachala, na cidade de Tiruvanamalai, estado de Tami lNadu, sul da Índia.

Ele foi concebido com o propósito de retratar a manifestação do sagrado em suas diversas faces. Nada aqui se exclui. Uma dança cósmica, onde a Espiral Sagrada baila seu sonho realizador; onde uma coluna de fogo, sem começo nem fim, unifica o Céu e a Terra; onde Shiva, nele mesmo, materializado pela força do mito Aruna (Fogo Sagrado), Chala (Montanha Inominável), sonha o sonho de Braman.

 

Mitos que visam tocar diretamente o sentimento do buscador de si, do devoto ou simplesmente de quem nada almeja. Um código que traz em si uma verdade objetiva e imutável, desde os tempos remotos; onde o mistério, por não possuir outra linguagem efetiva de transmissão, assumiu formas míticas, que nos remonta a um tempo de uma razão lúdica e poética. A Essência de todo esse conhecimento ancorou de maneira segura no barco do tempo.

A vida cotidiana, por sua vez, manifesta-se na intensidade de um comércio efervescente. O Sagrado se sustenta no visível e no invisível. Os templos erguidos no entorno da montanha, em adoração às incontáveis faces do Shiva, são manifestações impensáveis (barkat) de um povo que se recusa a abandonar seus deuses e deusas.

Arunachala é a montanha sagrada de Shiva. Ela é um temp(l)o de renovação para todo buscador de si, independente da profundidade da busca espiritual em que se encontram empenhado. Annamalai, como é conhecida em Tamil Nadu, é um farol para centenas de peregrinos, que anualmente vêm realizar Giripradakshina.

Seja benvindo a

Montanha Sagrada de Shiva

Acesso a sala de  exposição - Casa Castro Alves

sobre Dhan Ribeiro

Dhan Ribeiro nasceu na cidade de Salvador, em 24 de maio de 1961. De seu pai, um aficionado fotografo amador, recebeu uma Kodak Instamatic e os primeiros impulsos que o educaram visualmente.

Mas foi somente na faculdade, em 1980, que deu inicio ao seu objetivo de utilizar a fotografia como um instrumento narrativo as suas inquietações existenciais.

Sua formação é basicamente autodidata. Concluiu diversas oficinas e cursos para aprofundamento e refinamento do olhar. Montou neste período seu próprio estúdio fotográfico na cidade de Curitiba e realizou algumas exposições.

No ano de 1998, viajou para Índia com o propósito de dar inicio ao seu projeto pessoal: Religiões: Por que somos tão intolerantes?

Por essa ocasião, parou de fotografar; dedicando-se a outras atividades que de certa forma mantinham proximidade como a fotografia. Formou-se em Comunicação Social, com especialização em produção editorial. Fundou em 2008 a Editora Kalango e desde então tem conceituado, editado e publicado mais de 300 títulos.

Há 3 anos atrás, Dhan Ribeiro retomou a fotografia, iniciando a uma series de trabalhos experimentais, onde a busca por uma poética visual tem estimulado o seu processo criativo. Em 2018, organizou exposição fotográfica na Sardenha, em Trotoli: Luzes do Mar e no Brasil, na Universidade Federal da Bahia: Nós Urbanos. Para fins de julho de 2021, na cidade de Londres, tem agendado a exposição: Cobra Grande ziguezagueando em Mim.

Atualmente cursa a pós-graduação em Jornalismo Digital.

Acesso a sala de  exposição - Casa Castro Alves

© 2020 por Dhan Ribeiro.

dhanribeiro@tutamail.com       Tel: 0005571 983160643

  • Twitter Basic Black